Você não está logado | Entrar | Cadastrar
24/03/2013

"Pós-PT": as chances de Marina e Eduardo Campos




Por: Blog do PPS





Se estivermos certos em nossas análises sobre a atual conjuntura política, o eleitor vai buscar na eleição presidencial de 2014 a melhor proposta para aprimorar aquilo que a maioria dos brasileiros considera um "bom governo" (estão aí os números do Ibope para confirmar), "apesar" do PT.

Como assim? Parece contraditório, mas é isso mesmo: o brasileiro avalia positivamente a presidência de Dilma Roussef, assim como aprovou por ampla maioria as duas administrações de Lula (daí eleger seus "postes" na esteira do marketing, da máquina vitaminada e da realidade maquiada). Porém, não é o PT que está bem avaliado. O partido é mero acessório, um apêndice burocrático exigido pela legislação.




O PT, com seus mensaleiros e aliados que causam indignação e constrangimento (Collor, Sarney, Maluf, Renan, Feliciano), não está imune à descrença geral da população na política e nos partidos. O brasileiro quer manter as conquistas de Lula e Dilma, mas demanda um upgrade político, uma espécie de PT 2.0: e aqui despontam Marina Silva e Eduardo Campos como alternativas concretas para o assalto lulodilmista à máquina pública.



Não é por acaso que tanto Marina quanto Eduardo despontem com alguma chance sendo oriundos da própria base de Lula e Dilma, e não da oposição. O Brasil comprou a versão dos governos que estão pondo fim à miséria, mantém a inflação sob certo controle, um índice satisfatório de emprego, além de se deixar levar pela espetacularização de conquistas como a Copa e as Olimpíadas no país. A maioria aprova e quer a continuidade desse modelo, por isso o insucesso e a fragilidade dos partidos de oposição.  



Porém, são suficientes os sinais de desgaste do PT (vide os resultados das eleições de 2010 e 2012) e da busca por uma solução que fuja da tradicional polarização entre petistas e tucanos, que parece só interessar a ambos no revezamento do poder, sem nenhuma transformação substancial (ao contrário).



Ao que tudo indica, começa uma forte tendência de se construir o Brasil "pós-PT", com a manutenção de conquistas importantes dos governos Lula e Dilma (algumas, registre-se, iniciadas por ItamarFHC), mas com o aprimoramento da gestão, a modernização do Estado, amplas reformas estruturais e novos avanços econômicos e sociais.



No processo evolutivo da política, é este período "pós-PT" que parece já ter se iniciado. O teste definitivo se dará nas eleições de 2014, 2016 e 2018. Estejamos preparados, pois.



Leia também:









Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 401 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Deixe seu comentário
Bloqueado
É preciso estar logado para deixar um comentário.
Clique aqui, cadastre-se e participe!!


Este conteúdo tem 0 comentário(s)





Enquete
Qual o maior problema de São Paulo em 2014?


Trânsito
Poluição
Falta de vagas em creches e escolas
Falta de moradia
Falta de leitos hospitalares / medicamentos
Crise econômica / desemprego
Opa, selecione uma opção.










Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação | Hospedagem e Manutenção:Núcleo de Tecnologia do PPS
© Partido Popular Socialista - PPS (2008)