Você não está logado | Entrar | Cadastrar
08/10/2012

PPS elege dois vereadores para a Câmara paulistana: Ricardo Young e Ari Friedenbach







Foto:
PPS elege dois vereadores para a Câmara paulistana: Ricardo Young e Ari Friedenbach



Por: Mauricio Huertas



O empresário Ricardo Young (42.098 votos) e o advogado Ari Friedenbach (22.597 votos) foram eleitos vereadores pelo PPS, neste domingo (7 de outubro), para quatro anos de mandato, a partir de 1º de janeiro de 2013.

Pela quarta eleição consecutiva (ou seja, há 12 anos, desde 2000) o PPS elege uma bancada de dois vereadores para a Câmara Municipal de São Paulo. Ambos ocuparão pela primeira vez um cargo eletivo. Fazem parte dos 40% de novatos na Câmara (22 dos 55 vereadores da atual legislatura não foram reeleitos). 

Por uma diferença de apenas 436 votos, o atual líder do PPS, professor Claudio Fonseca (22.161 votos), será o 1º suplente da bancada.

A Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo" obteve 223.422 votos (ou 3,91% do total), sendo 213.356 votos do PPS e 10.066 votos do PMN.

Em 2008, a chapa de vereadores do PPS recebeu 216.873 votos no total, sendo 155.201 votos nominais e 61.672 votos de legenda. Agora, em 2012, o voto de legenda caiu para 27.085 - efeito da "desidratação" da candidatura majoritária de Soninha Francine, causada em grande parte pelo "voto útil" dos eleitores (não fiéis, mas simpatizantes) dos dois pólos (petistas e tucanos), que desejavam votar em Soninha mas acabaram optando pelo "mal menor", para evitar a chegada de Russomanno (PRB) ao segundo turno.

Há quatro anos, a candidata do PPS obteve 266.978 votos para a Prefeitura de São Paulo, ou 4,19% dos votos válidos. Em 2012 foram 162.384 (ou 2.65%), efeito do "voto útil". Todas as pesquisas de intenção de voto mostravam Soninha com pelo menos 5% dos votos válidos. Porém, com o empate apontado entre as candidaturas de Serra (PSDB), Haddad (PT) e Russomanno (PRB), parcela considerável do voto de Soninha acabou migrando no dia da eleição para o petista ou para o tucano.

Na eleição de 2004, quando o PPS não lançou candidatura própria e integrou a coligação que elegeu José Serra prefeito e Gilberto Kassab vice, obteve 250.792 votos na sua chapa própria para vereador (somados os 244.373 votos nominais com os 6.419 votos de legenda), ou 4,2% dos votos válidos.

Em 2000, o PPS paulistano obteve 173.778 votos (somando os 7.825 votos de legenda com os 165.953 votos nominais), ou 3,2% dos votos válidos. Havia lançado o então deputado Emerson Kapaz (PPS) como vice de Luiza Erundina (PSB), candidata à Prefeitura.

A votação de 2000 foi 10 vezes maior que a obtida na eleição anterior, em 1996. Na ocasião, os quatros candidatos a vereador lançados pelo PPS (na coligação com o PT) conquistaram cerca de 17 mil votos, somados aos votos que a legenda recebeu.

Ou seja, nas quatro últimas eleições (2000, 2004, 2008 e 2012) o PPS vem mantendo a sua bancada com dois vereadores e praticamente repetindo a quantidade total de votos. Reveja o balanço das atividades do PPS nos últimos 12 anos, que levaram à formação da Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo", e também a apresentação da chapa de vereadores de 2012.

Polarização PT x PSDB

Se um 2º turno entre José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT) confirma, por um lado, o "acerto" daqueles que apostavam na repetição dessa polarização, também é verdade que demonstra a saturação do eleitorado com esses dois pólos. Os resultados apontam a pior votação tanto do PSDB quanto do PT nas três ou quatro últimas eleições.

Mesmo com o apelo do "voto útil", somadas, as principais candidaturas que propunham uma alternativa à polarização, ou uma terceira via, superaram com ampla vantagem o voto petista ou tucano na cidade. Reunidos, Russomanno, Chalita, Soninha e Giannazi tiveram 38,87% dos votos, bem mais que Serra (30,75%) ou Haddad (28.98%) individualmente. Ou seja, a maioria dos paulistanos não queria o retorno de PT ou PSDB.

Outro detalhe que chama muita atenção, neste ano, é o índice altíssimo de votos Brancos: 741.560 (10,55%); Nulos: 573.722 (8,17%); e Abstenções/Ausências: 1.592.722 (18,48%).

Quem é Ricardo Young Silva?



Empresário, 55 anos, nascido em São Paulo, capital, foi presidente do Instituto Ethos e da ABF – Associação Brasileira de Franchising.

Com visão empreendedora, transformou a empresa da família, a Escola de Idiomas Yazigi Internexus, num dos maiores cases de franquias do mundo. Na juventude, participou de movimento estudantil nas lutas contra a ditadura e pelas liberdades democráticas.

É pós-graduado em administração de empresas pelo PDG/EXEC (hoje IBMEC), um dos mais importantes grupos empresariais de educação do país, e também integrou o PNBE – Pensamento Nacional de Bases Empresariais, onde foi o primeiro coordenador em gestões alternadas (1996-1999 / 1999-2000), tendo contribuído para o projeto de adoção de escolas públicas por parte de empresas e a criação do Instituto PNBE, que desenvolveu o projeto Minha Rua, Minha Casa, para moradores de rua.

À frente do Instituto Ethos, fundou a Uniethos, sua divisão educacional, e projetou a entidade com importantes participações em fóruns internacionais, como o Pacto Global das Nações Unidas, o Global Report Iniciative e o ISO 26000 – Diretrizes sobre Responsabilidade Social. Foi integrante do grupo de empresários que Iniciou no Brasil a disseminação do conceito da responsabilidade social empresarial com uma nova dimensão de negócios.

Enquanto presidia do Instituto Ethos foi também o iniciador do Pacto de Integridade de Combate à Corrupção, numa iniciativa de articulação de entidades da sociedade civil, entre eles a Transparência Internacional, e empresários - fato que constitui um novo marco na luta contra a corrupção.

Pioneiro na luta pela sustentabilidade, foi um dos disseminadores da Carta da Terra no Brasil e um dos signatários do Manifesto “Brasil com S” que deu início ao projeto que resultou na candidatura de Marina Silva à presidência da República. Participou da fundação do Movimento Nossa São Paulo e do Fórum Amazônia Sustentável.

No final de 2007, aproximou-se da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, junto com outras lideranças empresariais e ambientais, e concebeu o Movimento Brasil Sustentável, com o objetivo de engajar diversos segmentos sociais na construção de uma sociedade responsável, justa e sustentável.

Em 2010, foi candidato a Senador por São Paulo e obteve mais de 4 milhões de votos, tornando-se uma das mais importantes lideranças empresariais e políticas na defesa da sustentabilidade e da justiça social. Defende um novo conceito de governança para a gestão das cidades, baseado na qualidade e eficiência dos serviços públicos, com ética, transparência, produtividade. Propõe uma cidade mais humana, generosa, acolhedora e sustentável.

Ricardo Young acredita no resgate e na ressignificação da política como instrumento legítimo de transformação da sociedade e a serviço do cidadão. Veja mais.

Quem é Ari Friedenbach?  



Nascido em São Paulo, 52 anos, é advogado formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC–SP), atuando nas áreas Cível e Trabalhista.   É Conselheiro da Presidência Executiva do Clube Hebraica, Presidente de Honra do Programa Liana Friedenbach da Congregação Israelita Paulista (CIP) e Presidente do Projeto Viva em Segurança.

No ano de 2011, atuou como Coordenador do Selo Paulista da Diversidade, que pertence à Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho do Governo do Estado de São Paulo (SERT), e como representante da Secretaria junto às Comissões Municipais do Emprego; dos Refugiados; do Trabalho Decente; da Pessoa com Deficiência e da Comissão Estadual Anti Drogas. Também ministra palestras sobre Educação, Segurança e Legislação Penal.  

A vida de Ari Friedenbach foi marcada por uma grande perda. Em novembro de 2003, sua filha Liana, juntamente com o namorado Felipe Caffé, foi seqüestrada por uma quadrilha composta por quatro adultos e um menor de idade. Após cometerem o assassinato de Felipe, sua filha continuou em poder dos criminosos por mais cinco dias, sendo violentada e assassinada a facadas. O autor deste crime bárbaro foi o menor, na época, Roberto Aparecido Alves Cardoso, conhecido como “Champinha”.

Após perder a filha, iniciou um trabalho visando mudanças que gerassem resultados positivos junto às questões de segurança, educação e a responsabilização de menores infratores. Passados sete anos, então criou o Projeto Viva em Segurança, através do qual pretende trazer ao debate com a sociedade novas propostas para a construção de uma vida digna, com oportunidades e segurança para todos.

No ano de 2010, chegou à conclusão que os esforços para mudanças significativas nas leis tiveram poucos resultados, resolvendo então se candidatar a Deputado Federal, ficando na suplência do PPS.

Como vereador da cidade de São Paulo, Ari Friedenbach afirma que sua luta por segurança, paz e justiça continua. Ele acredita que ações locais possam auxiliar no combate a violência. Veja mais.





Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 833 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Deixe seu comentário
Bloqueado
É preciso estar logado para deixar um comentário.
Clique aqui, cadastre-se e participe!!


Este conteúdo tem 0 comentário(s)





Enquete
Qual o maior problema de São Paulo em 2013?


Trânsito
Poluição
Falta de vagas em creches e escolas
Falta de moradia
Falta de leitos hospitalares / medicamentos
Crise econômica / desemprego
Opa, selecione uma opção.










Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação | Hospedagem e Manutenção:Núcleo de Tecnologia do PPS
© Partido Popular Socialista - PPS (2008)